Só porque a sociedade funciona a mil

A geração Y também conhecida por Millennials é característica pela velocidade a que a informação circula e a facilidade com que é acedida. Claro, que este fenómeno pode ser visto como a maior vantagem que temos mas sinto que traz alguns problemas que merecem reflecção. A verdade, é que perdemos a capacidade de saber parar e de foco. Tanto no interior como no exterior. Quem de vocês no último mês pesquisou um tema que lhe interessasse e quando deu por si já estava a pesquisar outra coisa que lhe chamou a atenção? Somos bombardeados de estímulos que nos desviam do nosso propósito e que fizeram com que a nova tendência seja saber um pouco de tudo mais que ter know-how e expertise sobre algo específico. Ora, o problema é que temos acesso a toda a informação mas a maioria fica-se pela superfície do tema. Há demasiada coisa para ver, aprender e acabamos por não ir a fundo.

Não vamos a fundo nos nossos interesses, curiosidades, emoções, pensamentos. É- nos pedido (ou exigimo-nos a nós próprios) que cheguemos a todo o lado, façamos tudo, sejamos tudo e quando equacionamos o que realmente aprendemos e fizemos ficámo-nos pelo 1o percentil de qualquer tema. Na verdade, até podemos estar lá no sítio a fazer mais um check na nossa lista de tarefas mas não estamos realmente presentes. Chegamos aos sítios e conquistamos títulos meramente por uma questão de obrigação, pressão da sociedade ou circunstâncias. Deixamo-nos levar por um caminho que conscientes talvez não escolheríamos... Qual de vocês se morresse amanhã sentia que fez o que queria e fá-lo ia tudo outra vez da mesma maneira? Não falo de arrependimentos pelo que fizeram mas sim de arrependimentos pelo que NÃO fizeram! Assim, põe-se a questão de saber o que queres realmente. O que é que tens esperança de criar no futuro? Quais os teus sonhos? Para um dia, quando chegar o momento de partir sentires que aí sim não te arrependes de nada porque fizeste tudo o que querias. Ou pelo menos tentaste. Também pode ser que não tenhas esperança de criar algo mais ou vontade de chegar a um lugar especifico, pode ser que não penses em nada disso nem sintas qualquer tipo de vocação ou chamamento mas diria que esse é um estado ainda mais adormecido que foi induzido pelos vícios da sociedade.

Podem parecer perguntas muito idealistas mas são poderosas! Todos podemos sobreviver (noto que usei o termo sobreviver) ao desafio que é a vida mas quem é que realmente se atreve a vive-la? Quem é que está acordado quando os outros à volta estão no modo que é considerado “normal”?

Não pretendo ser prepotente mas se algum de vocês se identifica com isto e gostaria de criar algo melhor diria que antes de mais passa pela “consciencialização”. A consciencialização é o primeiro passo para acordar. É a capacidade de questionar e relativizar todos os elementos que nos chegam no dia-a-dia e nos causam stress. Pode parecer contraditório mas para mim estar acordado passa pelo saber estar bem consigo, parado e em silêncio. Há que reequilibrar a balança e esta capacidade de silêncio é o que nos permite priorizar e conectar com os nossos valores e interesses mais intrínsecos. Daí que só depende de nós saber-se ouvir e beneficiar desta correria e quantidade de informação focando nos só no que nos interessa. Ser disciplinados ao ponto de manter se com o que realmente queremos e não com alguma outra tentação que surja. Curioso como isto é aplicável tanto num cenário profissional como relacional...

Provavelmente terás interpretado isto pelo que mais está a afetar a tua vida neste momento. Porque é que os jovens estão sempre a saltar de trabalho? Porque não és capaz de cumprir o prazo da tua tese? Porque é que tanto homens como mulheres numa relação se perdem noutras pessoas?... Ganha consciência do teu dia-a-dia, da tua rotina e todas as componentes à tua volta. Aprende a ouvir te e a fazer o que realmente te faz sentido, o que te apaixona, o que te inspira, o que te faz bem. Descobre a tua vocação e dedica tempo, foco e paciência a fazer o que gostas, a estar com quem gostas. Só porque a sociedade funciona a mil não significa que fazeres mil coisas te vai tornar mais feliz. Só porque a sociedade funciona a mil não significa que não possas parar, apreciar o momento presente. Só porque a sociedade funciona a mil não quer dizer que parar é morrer. Só porque a sociedade funciona a mil não quer dizer que não estejas a funcionar a 10 mil se estiveres focado a fazer o que realmente queres.

Por Jéssica Lachia


1 comentários

  1. A vida é a nossa melhor e maior escola!! Todos os dias são de aprendizagem e consciencialização, no fundo o que devemos mesmo, é aproveitar a VIDA, ter muita fé, fazer bem ao próximo e ser MUITO FELIZ!!!! Gostei muito do texto, palavras e pensamentos sábios de uma guerreira , sai á sua Mãe!!! Bjinho grande

    1. Obrigada Zé Maria! Sempre tão querido! Um grande beijinho

Deixar um comentário