Manuel Duarte Neves Gonçalves


Faculdade de Direito, UL

"Um pessimista vê uma dificuldade em cada oportunidade. Um optimista vê uma oportunidade em cada dificuldade."
- Winston Churchill

Nojento

O sentimento de revolta do qual sou dono, depois de ver o estado em que o meu País está, não é menor por estar fora de Portugal.

O problema não é recente e a culpa não exclusiva deste Governo, diga-se. De qualquer das formas, Não há paralelo com o que se passou este ano.

Nunca até hoje nenhum Governo, se deu ao trabalho de investir seriamente na luta aos criminosos que incendeiam o País, e não existem dúvidas de que há muita gente a beneficiar de Floresta queimada. Nunca investiram na limpeza séria das matas. Nunca investiram seriamente no reforço de equipamentos e dos nossos bombeiros. Investiram e investem, única e exclusivamente, nas preces divinas, esperando que estas afastem o calor.

Este ano, infelizmente, as preces não foram suficientes. Em Pedrogão morreram 65 Portugueses e em Leiria já se contabilizaram, pelo menos, 36 mortes. Portugal deparou-se com um dos anos mais quentes de sempre, não o desminto. Não obstante, estas temperaturas não foram nenhuma surpresa. Diversos institutos meteorológicos alertaram o Governo para esta realidade.

Sabem qual foi a resposta do nosso Governo? Manter o início oficial da época de incêndios em Julho. Isto significa que não teriamos operacionais os meios necessários para o eventual combate às chamas, em Junho. Qual foi a maior consequência desta irresponsabilidade? 65 mortos, em Junho, em Pedrogão Grande.

Seria de esperar que se tivesse aprendido alguma coisa com esta tragédia que devastou o nosso País. Mas não. Os meios de combate voltaram a ser reduzidos, mesmo com os avisos de que uma "tempestade de calor" ia chegar a Portugal. E assim, em pleno Outubro, mais 36 Portugueses perderam a vida e outros tantos ficaram sem casas e qualquer sustento.

A arrogância de quem nos desGoverna não lhes permitiu retirar lição nenhuma do que em Junho se passou, o que é profundamente triste.

A Gerigonça passa os dias na Assembleia da República a perder tempo com "matérias essenciais" como, por exemplo, entrada dos animais de companhia nos restaurantes. São uns Cabrões.

O Secretário de Estado, por sua vez, sugeriu que as pessoas têm de pegar em baldes, por não haver tempo para esperar por ajuda. "Não podemos ficar todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver o problema” Como é possível a resposta deste idiota ser esta? Que besta miserável.

A Ministra da Administração Interna diz que estava bem melhor se se demitisse porque, vejam bem, nem sequer conseguiu tirar férias. A falta de respeito pelas famílias que perderam tudo é gigante. É uma Ordinária.

E, por último, o nosso Primeiro-Ministro. Aquele estúpido que, enquanto Ministro da Administração Interna, gastou 400 milhões de euros num sistema de comunicações (SIRESP) que, ao que parece, não funciona, diz que a única resposta agora é a procura de soluções, não de demissões. Pois bem, recuemos um mês. Não foi o senhor Primeiro-Ministro que se antecipou com a criação de soluções para o problema das chuvas que, como disse, em breve iam assolar novamente o País? António, se tivesse pensado antes em soluções para os incêndios poderiam não ter morrido mais 36 Portugueses, não lhe parece? As faltas de respeito de António Costa atropelam, constantemente, o País que não o elegeu. Este homem é um doença e, como disse Bernardo Ferrão, os Portugueses dispensam um Chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez. Este homem é uma doença.

Na vizinha Galiza, bastaram 4 mortes para que os Espanhóis se manifestassem! Devíamos seguir o exemplo. Não podemos permitir que 101 almas lusitanas caiam no esquecimento, sem ninguém ter pago por isso.

Desculpem o desabafo e o palavreado brejeiro. Enoja-me ver o meu País entregue a esta corja desavergonhada que, para não perder popularidade política, sacode todas as responsabilidades que lhe são devidas. Há mínimos. Peçam Desculpa.


5 comentários

  1. Gostei. É exatamente isto que sentimos. Os palavrões são agressivos mas tbm sinto o mesmo . Só cabroes a fugir às responsabilidades

    1. Não serão os Portugueses que à 40 anos andam a fugir às suas responsabilidades????

      1. Podia ao menos saber escrever português? Vergonhoso.

        1. Subscrevo. A primeira frase é um pedregulho...

  2. Infelizmente é realidade! As palavras "prevenção" e " formação" devem fazer-lhes alguma comichão!

  3. Subscrevo na integra.

  4. A culpa não é deste governo. É de todos que temos tido(este incluído), já de há bastantes anos.

    1. No próximo ano,de certeza.não haverá tantos incêndios...já ardeu quase todo o PORTUGAL...tristeza...

  5. Só é uma desilusão para quem tinha expetativas neste " governo". Quando o indivíduo que lidera, traí o seu camarada Seguro, perde eleições , cria uma gerigonsa como azeite e água onde a última só serve para fazer volume para que fiquem à tona. E ainda ded

Deixar um comentário