Francisco Guimarães


Colégio São Tomás | Treinador de Futebol

""Queres o espaço impossível, queres arder o que apagou, queres a escolha que passou. Mas tudo é o que tem que ser, tudo flui ou te faz crescer.""
- Tiago Bettencourt

Grande campeonato? Talvez não. Emocionante? Claro!

"Nenhuma delas foi extraordinária nos vários critérios que definem uma equipa, mas têm ambas muito mérito nos êxitos que alcançaram. Repito, ganhou a equipa mais constante e, quando se fala de campeonatos longos, vence quem ganha mais vezes, o que para mim é um sinal de consistência."

Terminada a época de 2015-2016, gostaria de fazer um resumo muito básico: O Benfica foi campeão com 88 pontos (a maior pontuação de sempre na liga), com 88 golos marcados e 22 sofridos. O Sporting ficou em 2º lugar, com 86 pontos, com 79 golos marcados e 21 sofridos. Olhando para baixo na classificação, a Académica e o União da Madeira desceram de divisão. Gostaria de falar de todos os restantes clubes, mas como este texto é para o público, tenho de tomar decisões no que diz respeito ao número de páginas.

Assim sendo, opto por falar do Benfica, do Sporting e do campeonato em termos qualitativos (espero, caros leitores, que estejam de acordo em relação aos tópicos selecionados).

O nosso campeonato tem 34 jornadas e uma equipa, para o vencer, depende de si, da sua regularidade e da sua qualidade. Por isso, afirmo: a equipa que vence o campeonato é sempre merecedora da vitória! Não merecer vencer ao fim de 34 jornadas nem sequer se põe em questão...

O segundo ponto que gostaria de abordar é o facto de se comentar que este foi um grande campeonato. Devo dizer que não concordo totalmente devido a dois aspetos: Na minha opinião, um bom campeonato merece tal adjetivo se:

  • Se tratar de um campeonato de alto nível em termos de qualidade de jogo. Com isto refiro equipas bem trabalhadas nos momentos de jogo (a atacar, a defender, quando perde ou quando ganha a bola);

  • For competitivo. Onde todos podem vencer todos e existe imprevisibilidade de forma constante.

  • For emocionante.

Com esta explicação, afirmo que o nosso campeonato teve muitas equipas que não estavam ainda bem trabalhadas e não foi um campeonato competitivo embora emocionante devido à disputa do titulo até ao último minuto. Por isso, para mim, apenas preencheu 1/3 destes básicos critérios.

O fantástico líder Rui Vitória referiu há um tempo o seguinte: “Há vários critérios para classificar uma equipa e (...) o aspeto tático não é o mais importante”. Para mim, este é melhor resumo da época do Benfica. A equipa com mais qualidade individual do que o seu rival foi altamente lutadora, unida e vencedora. Apesar de não estar guiada pelo melhor modelo de jogo do campeonato, soube ser pragmática nos momentos em que o era preciso ser, mostrando por vezes qualidade de jogo e outras vezes apenas o esforço e o empenho de querer vencer. Nem sempre é possível a “nota artística”, como refere o próprio Jorge Jesus. Por isso, o Benfica merece ser campeão. Pela sua coerência, espírito de grupo. Ainda para mais foi capaz de criar uma dinâmica de vitória em clima de superação coletiva e individual. Jogadores como Mitroglou, Jonas, Jardel, Lindelof ou mesmo Jimenez realizaram uma época digna de qualquer elogio.

O genial Jorge Jesus, para mim, um dos melhores treinadores portugueses ao nível do treino, deu mais uma enorme prova da sua qualidade. Espero que também seja reconhecido o seu mérito, ao colocar o Sporting no topo da classificação no que diz respeito à qualidade de jogo (ainda para mais sem ter as armas individuais dos rivais). Na minha opinião é a equipa com o modelo de jogo mais evoluído em Portugal (com comportamentos táticos adequados em todos os momentos de jogo). Só por isso, merece todo o crédito.

Resumindo, a equipa mais unida, mais lutadora, apesar de não ser a equipa com maior qualidade de jogo (não quero dizer que não jogue bem, mas apenas que o seu rival nesse aspeto é mais forte) venceu o campeonato e a equipa com mais interesse a nível tático ficou em 2º lugar. Nenhuma delas foi extraordinária nos vários critérios que definem uma equipa, mas têm ambas muito mérito nos êxitos que alcançaram. Repito, ganhou a equipa mais constante e, quando se fala de campeonatos longos, vence quem ganha mais vezes, o que para mim é um sinal de consistência.

Para finalizar, uma palavra de agradecimento a todos os que souberam valorizar todas as coisas boas que este campeonato nos trouxe, sem se deterem em pormenores que descem o nível que todos, no fundo, queremos elevar.


4 comentários

  1. Acho o artigo muito bem elaborado e escrito! Para além de uma apreciação profissional criteriosa, faz uma análise clara, assertiva e justa do que foi o campeonato! Gostaria também de evidenciar a forma tão construtiva com que termina o artigo! Parabéns

  2. Meu caro Francisco, Mais uma LIÇÃO sobre a actividade desportiva do futebol. Obrigado pelos ensinamentos. Abr. Joaq.

  3. Acho piada que ninguém fale da ajuda que o Benfica teve dos árbitros para chegar onde chegou. Está à vista de todos, por isso não me parece que a equipa que tenha mais pontos no final do campeonato seja, claramente, justa vencedora ou merecedora. Infelizm

    1. Caro Miguel, Temos um problema com os comentários, tem um limite de palavras. Para poder ouvir a sua critica sugiro que divida o seu comentário em várias partes para eu o poder ver no total. Obrigado

  4. Meu estimado e jovem Colega, Prof. Francisco Guimarães, na minha próxima estadia no Colégio Marista de Carcavelos - se calhar já para o ano - quero ter o gosto de conversar longamente Consigo sobre a Sua visão do desporto escolar em Portugal e o papel que

Deixar um comentário